Brasil 2018-2022

17/10/2018

Analise política em migalhas

Sujeitos: grandes corporações e poderes financeiros transnacionais obsequiados pela elite.

Motivação: avançar com a agenda neoliberal mundial e depredar os recursos minerários brasileiros em territórios indigenistas sob proteção ambiental.

Estratégia: forjar um movimento de resgate sociocultural oposto ao petismo que possa agregar o consenso eleitoral com uma nova figura de herói nacional alheia ao sistema generalizado de corrupção.

Oportunidades históricas: aproveitar do 'antipetismo' radical da classe média como base do consenso; aproveitar do surto neoconservador e tradicionalista na Igreja para dividir e enfraquecer os católicos na dimensão sociopolítica.

Metodologia:

1. Inserir na campanha eleitoral um "candidato boneco" que possa radicalizar os temas estratégicos da segurança (armamento, intolerância, machismo, racismo etc.) e da moralidade (valores tradicionais, ordem e controle das minorias não alinhadas) para seduzir os eleitores.

2. Consolidar e expandir o consenso meta-político profundamente fidelizado através do engajamento na guerra eleitoral com operações maciças de desinformação e de "false flag".

3. Assimilar todo adversário político do "candidato boneco" a inimigo religioso e nacional.

4. Conquistar a presidência como obra mítica pseudo-religiosa que possa consagrar o "candidato boneco" como novo herói nacional.

5. Por em ato, atrás da cortina ideológica do resgate nacional, a agenda econômico-financeira oculta aproveitando dos canais preferenciais da presidência.

6. Eliminar o herói nacional quando não for mais útil, ou no caso em que não seja mais aproveitável, e elaborar uma nova estratégia.