5. A alegria do perdão

20/07/2017

...Como nos faz bem voltar para Ele, quando nos perdemos! Insisto uma vez mais: Deus nunca Se cansa de perdoar, somos nós que nos cansamos de pedir a sua misericórdia. Aquele que nos convidou a perdoar «setenta vezes sete» (Mt 18, 22) dá-nos o exemplo: Ele perdoa setenta vezes sete. Volta uma vez e outra a carregar-nos aos seus ombros. Ninguém nos pode tirar a dignidade que este amor infinito e inabalável nos confere. Ele permite-nos levantar a cabeça e recomeçar, com uma ternura que nunca nos defrauda e sempre nos pode restituir a alegria. Não fujamos da ressurreição de Jesus; nunca nos demos por mortos, suceda o que suceder. Que nada possa mais do que a sua vida que nos impele para diante!

Papa Francisco, Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, n.3

Ser missionário é ter a coragem de repetir todo dia a lição do perdão consigo mesmo, dando-nos conta que a força de perdoar vem somente de um coração que se reconhece costurado pela misericórdia em todos os lados.

Ser missionário é empenhar-se para que nosso perdão não seja uma graça a ser medida ou a ser poupada só para alguns... mas seja o nosso modo de ter fé em Jesus, para que perdoar seja nosso "sim" ao perdão que Ele nos garante sempre.

Ser missionário é ter descoberto a alegria que brota do perdão, é dar-se conta que precisamos mesmo perdoar... pois perdoar é ter plantado no coração a evidência que toda ofensa recebida é o adubo para a misericórdia crescer em nós.