4. Vocação à Vida Consagrada: Ser Sinal da Eternidade do Amor

04/08/2017

O ser humano criatura de Deus, homem e mulher, quando se abre à Revelação da realidade do amor como Mistério Trinitário, quando entende sua vida como chamado à vida trinitária (santidade), pode também sentir dentro de si um ulterior chamado do próprio Deus. O chamado a dedicar toda sua vida ao anúncio deste mesmo mistério e a fazer dela um sinal da vida trinitária. Em virtude deste ulterior chamado faz sentido a renúncia por amor ao matrimônio que é a via do amor. Esta renúncia é feita para que a vida de homens e mulheres aqui na terra seja manifestação daquilo que o próprio matrimônio que construir e alcançar: a santidade.

O próprio Jesus Cristo escolheu para si este caminho, renunciando ao matrimônio em vista da finalidade do matrimônio que Ele mesmo chama de Reino de Deus, a vida em Deus, uma vida que vai além da vida terrena, mas uma vida no Espírito, fora do tempo, do espaço, fora de qualquer limitação que o ser humano experimenta agora.

Olhando a Jesus o cristão pode reconhecer em si mesmo o chamado a doar a própria vida escolhendo para si aquilo que Jesus escolheu, assumindo para si a missão que Jesus realizou. Este novo "sim" a Deus em vista da santidade se realiza na Igreja, corpo de Cristo, em todas as formas de vida consagrada e no ministério ordenado, de forma que a Igreja, formada a partir da Igreja doméstica - e esta fundada no matrimônio - gera dentro de si filhos e filhas, para que eles todos sejam pães e mães da própria Igreja e da humanidade inteira.